Os dez erros mais cometidos em jardinagem

1. Não fazer a drenagem
0 acúmulo de água no fundo do vaso ou floreira pode provocar o apodrecimento das raízes, além de tornar-se ambiente propício para o desenvolvimento das larvas do mosquito da dengue. Para que isto não ocorra, é preciso colocar na parte inferior do vaso, uma camada de argila expandida, cacos de telha ou pedriscos, até aproximadamente 1/6 da altura do recipiente. Cuidado para não tampar a saída da água.

2. Escolha do tamanho da planta
Quase sempre, quando se compra ou ganha uma planta, esta tem um porte pequeno. É muito comum as pessoas esquecerem que ela vai crescer e ocupar um certo espaço, e não hesitam em planta-la em um vaso pequeno ou jardineira. Tal atitude pode gerar problemas futuros, tanto para a muda como para o dono. Procure informar-se sobre o tamanho que atingirá quando adulta, depois plante-a num espaço adequado.

3. Não preparar a terra
Para cada grupo de plantas existe um substrato ideal (terra preparada). Uns se desenvolvem melhor com terra arenosa, alguns com composto orgânico, e outros com terra argilosa. Essa informação pode ser obtida nas embalagens ou com profissionais da área. Para a maioria das plantas pode-se fazer a seguinte composição: 1/3 de terra comum de jardim + 1/3 de composto orgânico (húmus de minhoca, folhas decompostas, etc.) e + 1/3 de areia de construção. 0 excesso ou a falta de um desses componentes faz com que a água e os nutrientes necessários escoem muito rápido, prejudicando a absorção pela planta. Isto também provoca poças, restringindo os espaços para circulação de água e ar.

4. Quantidade de luz e água
Algumas plantas precisam de uma determinada quantidade de luz para sobreviver. Por exemplo, árvores, rosas e primaveras devem ser plantadas em locais com muita luz solar. Os lírio-da-paz e as samambaias tem melhor desenvolvimento em áreas com menos incidência dos raios solares, ou seja, bastante claridade, mas sem sol forte. Isto está relacionado ao seu habitat e precisa ser respeitado. Caso ao contrário, as plantas estarão sendo maltratadas e não mostrarão o resultado esperado. As necessidades de água também variam de espécie para espécie. Algumas precisam de terra mais úmida, e outras, mais seca. Porém, é melhor pecar pela falta de água do que pelo excesso, pois a maioria, quando esta por um período não muito longo sem água e é regada, há recuperação. Já o excesso de água provoca o apodrecimento das raízes e a recuperação e irreversível.

5. Mistura de espécies com necessidades diferentes
Conforme os itens anteriores, as plantas precisam de diferentes quantidades e tipos de luz, água e substrato. Portanto, se misturadas, o resultado pode ser um jardim desequilibrado. É importante selecionar espécies compatíveis em um mesmo jardim.

6. Espaçamento para o plantio
As plantas crescem para cima e para os lados. Não é difícil encontrar um canteiro com elementos agrupados. Além de ocorrer uma competição entre as plantas, esteticamente, o jardim fica muito poluído.

7. Uso excessivo de adubo
Na natureza os adubos são fornecidos pelas folhas de árvores que caem, restos de animais, etc. Mas, quando uma planta vai para um ambiente artificial, uma casa, por exemplo, é preciso suprir suas necessidades com adubos orgânicos e minerais. As indicações da embalagem devem ser seguidas corretamente, pois, o excesso desses produtos podem matar a planta. Uma indicação comum é a de uma colher de café para um vaso pequeno, porém, muitas pessoas aumentam a dose por achar esta quantidade insuficiente.

8. Desconhecimento do ciclo de vida das plantas
Algumas espécies são caducifóIias, isto é, perdem as folhas em determinadas épocas do ano e, muitas vezes, sem saber desta informação, as pessoas acham que as plantas estão mortas e as arrancam. Este é o caso dos ipês.

9. Amparar quando necessário
Há muitas plantas que precisam de suporte para crescerem, algumas se enrolam em fios, outras em árvores e treliças. A maioria das árvores (mudas) precisa ser tutorada para direcionar seu crescimento.

10. Poda incorreta
A poda é um artifício inventado pelo homem, não existe espontaneamente na natureza. Quando se quer aumentar a produção de flores, frutos ou fazer uma cerca viva, normalmente, é feita a poda. Porém, é importante que a tarefa seja executada corretamente para não desfigurar a planta e não machucá-la Existem técnicas certas e cicatrizantes que impedem o ataque de microorganismos após a poda. 0 ideal é procurar ajuda de um especialista.

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts. Aproveite e deixe seu e-mail, quem sabe poderei te ajudar?

Um comentário:

ze mineiro - operário do riso disse...

Parabéns pelos artigos publicados e pelas dicas.
Sempre que tenho oportunidade entro em sua página para aprender um pouco mais.

José Marcos Dias vendedordealegria.zip.net