O que são fertilizantes e para que servem

Esse tópico vai prá quem sempre gosta de tá atualizando seus conhecimentos sobre cultivo, nutrição de plantas e fertilidade do solo.
Espero que gostem da leitura!


As plantas, para se desenvolverem adequadamente, necessitam de ter à sua disposição quantidades adequadas de elementos nutritivos ou nutrientes.
Um solo fértil deve ter capacidade para fornecer às plantas os nutrientes que elas necessitam, de uma forma equilibrada.

Sempre que os solos não tenham essa capacidade, é necessário recorrer à utilização dos fertilizantes.

Podemos definir "Fertilizantes" como sendo substâncias que se aplicam ao solo e/ou à parte aérea da planta com o objetivo de melhorar a sua nutrição e obter maiores e/ou melhores produções.

Estas substâncias tanto podem ter uma ação direta sobre as plantas, fornecendo-lhes os nutrientes que elas necessitam, como uma ação indireta, através da melhoria das condições do meio onde as plantas se desenvolvem, destinando-se essencialmente a corrigir os solos.

Desta forma, o fornecimento de nutrientes às plantas e a melhoria da fertilidade dos solos devem ser os objetivos principais da utilização de fertilizantes, que se subdividem em adubos e corretivos.

Os adubos são produtos que apresentam elevados teores de elementos nutritivos, sobretudo macronutrientes principais - azoto, fósforo e potássio. Atuam sobre as culturas de forma essencialmente direta, permitindo uma maior absorção dos nutrientes. Podem também fornecer macronutrientes secundários - cálcio, magnésio e enxofre e micronutrientes - ferro, manganês, zinco, cobre, boro, molibdênio, cloro ou outros elementos benéficos.

Até há relativamente poucos anos, os adubos eram identificados apenas pelas quantidades elevadas de um ou mais macronutrientes principais; porém, hoje em dia, são usados com o objetivo principal de intervirem na alimentação das plantas, podendo não ter macronutrientes principais, mas sim macronutrientes secundários, micronutrientes, reguladores de crescimento, etc.
A principal classificação dos adubos é feita de acordo com o modo como são obtidos, considerarando os seguintes tipos de adubos:

• Adubos minerais - são obtidos industrialmente por processos químicos e subdividem-se em três grupos:

• Adubos minerais elementares - têm um só macronutriente principal - azotados (N) (exemplos: uréia, nitroamoniacal a 20,5%, etc.), fosfatados (P) (exemplos: superfosfato a 18%, ou a 42%.) ou potássicos (K) (exemplos: cloreto ou sulfato de potássio);

• Adubos minerais compostos - podem ter dois ou três macronutrientes principais - binários (N-P, N-K ou P-K) (exemplos: 10-20-0, 0-21-21, nitrato de potássio, etc.) ou ternários (NPK) (exemplos: 7-14-14, 10-10-10, 15-15-15, etc.);

• Adubos minerais especiais - podem ser adubos elementares ou compostos aos quais se adicionaram macronutrientes secundários, micronutrientes, reguladores de crescimento, pesticidas, retardadores de nitrificação, etc., ou serem produtos contendo apenas macronutrientes secundários, micronutrientes ou até não conterem elementos habitualmente considerados nutrientes vegetais (exemplos: sulfato de magnésio, borax, "osmocote" - adubo revestido de libertação controlada, N-serve - com inibidor de nitrificação, ureia-form, soluções nutritivas, etc);

• Adubos orgânicos - são produtos de natureza orgânica, provenientes de resíduos de plantas e/ou animais (exemplos: farinha de peixe - com mais de 6% de azoto e 6% de fósforo, ossos moídos - com mais de 27% de fósforo, sangue seco e pulverizado - com mais de 10% de azoto, ou outros resíduos orgânicos, desde que satisfaçam os seguintes teores: matéria orgânica 50%, azoto 2%, fósforo 3% e total de azoto+fósforo+potássio 6%).

• Adubos minero-orgânicos - obtidos por mistura de adubos minerais com adubos orgânicos ou corretivos orgânicos, (exemplos: adubos obtidos a partir da mistura de adubos minerais e estrumes de aviário ou outros produtos com origem similar, desde que satisfaçam as seguintes condições: teor de matéria orgânica 25%, total de azoto+fósforo+potássio 15% e qualquer destes macronutrientes com teores superiores a 5%).

Nas características dos adubos outros fatores devem ter-se em consideração, nomeadamente: a natureza e as formas químicas dos nutrientes (exemplos: o azoto pode ser amídico, amoniacal ou nítrico e o fósforo pode estar em combinações químicas solúveis em água, em ácido cítrico ou em ácidos minerais); estado físico dos adubos (sólidos, líquidos ou gasosos), reação fisiológica dos adubos (podem ser neutros, acidificantes ou alcalinizantes), e ainda a sua salinidade, solubilidade, etc.

Os corretivos são produtos que atuam na melhoria da nutrição das plantas de modo essencialmente indireto, através da melhoria das propriedades físicas, químicas e biológicas dos solos, modificando a reação do solo (pH), o teor de matéria orgânica, as suas características físicas, etc. Embora as substâncias utilizadas como corretivos tenham quase sempre elementos nutritivos, que podem ter algum efeito direto sobre a nutrição das plantas, a sua principal ação é exercida na melhoria da fertilidade dos solos.

A classificação dos corretivos é feita de acordo com a sua origem e com os principais objetivos visados na sua aplicação, considerarando os seguintes tipos de corretivos agrícolas:

• Corretivos minerais - destinam-se a corrigir o pH dos solos.
Os corretivos minerais dividem-se em:

• Corretivos minerais alcalinizantes - quando tem como objetivo fazer subir o pH dos solos ácidos (exemplos: calcário moído com ou sem magnésio, cal viva, cal apagada);

• Corretivos minerais acidificantes - quando visam fazer descer o pH dos solos alcalinos - solos calcários, solos salinos, solos alcalinizados ou solos alcalinizados-salinos (exemplos: enxofre e gesso).

• Corretivos orgânicos - estes corretivos, de origem orgânica, animal e/ou vegetal, são utilizados com o objetivo de aumentar, ou pelo menos manter, o teor de matéria orgânica dos solos, a qual desempenha uma função muito importante em todos os aspectos (físicos, químicos e biológicos) da fertilidade dos solos.

Até há relativamente pouco tempo, os corretivos orgânicos eram identificados com os estrumes naturais (dejetos sólidos e camas dos gados) ou artificiais (obtidos por compostagem de detritos vegetais). Estes corretivos têm tendência a desaparecer, devido à modernização das instalações pecuárias e à falta de mão-de-obra.

Atualmente, vários outros produtos, embora ainda com aplicações mais restritas, podem e devem ser utilizados como corretivos orgânicos dos solos, não só pelo seu baixo custo e elevado interesse fertilizante, mas também pela contribuição para a melhoria do meio ambiente, através da eliminação de efluentes e resíduos orgânicos potencialmente poluentes. Entre estes são de realçar: os lixos tratados (R.S.U.-Resíduos Sólidos Urbanos, após compostagem), os esgotos tratados, os produtos resultantes da intensificação de indústrias agro-pecuárias ("estrumes" de aviário, chorumes, etc.), de indústrias agrícolas (bagaços de uva e de azeitona. etc.) ou de indústrias florestais (aparas de madeira e casca de pinheiro trituradas, e as lamas celulósicas).

Existem ainda outros produtos que podem ser considerados corretivos orgânicos, mas em que os elevados custos restringem a sua utilização a culturas de alto rendimento - vermicompostos, turfas, algas, etc.

O enterramento das palhas e de resíduos das culturas constituem, por outro lado, importantes fontes de matéria orgânica e continuarão a ser os principais responsáveis pela manutenção do teor de matéria orgânica dos solos, embora a níveis muito baixos que é importante aumentar, com a utilização dos corretivos, para melhorar a fertilidade desses solos.

Corretivos condicionadores - destinam-se a melhorar a estrutura do solo. São produtos muito caros e o seu uso é muito restrito, apenas se verificando em estufas, jardins e relvados. (exemplos: "Krilium", silicatos coloidais-Agrosil LR, "Stiromull", "Higromull", etc.)

Os fertilizantes não se podem pois identificar exclusivamente com os adubos. Em certas condições, a adubação pode até não ser a prática mais importante da fertilização. No caso de solos com acidez elevada, para muitas culturas, o efeito da aplicação dos adubos pode estar bastante comprometido, se não se efetuar previamente uma adequada correção da acidez desses solos com um corretivo calcário.

A utilização dos fertilizantes, como um dos meios mais eficazes para aumentar a produção, deve ter em conta, não só esse aumento da produtividade, mas também a qualidade dos produtos e do meio ambiente e a fertilidade dos solos.


Fertilize as plantas na fase de crescimento com um NPK 10-10-10.

Um mês antes da floração utilize 04-14-08 e continue fertilizando até o termino da floração com este fertilizante.

Suspenda as adubações quando as plantas entrarem em dormência (pararem de crescer). Seria mais interessantes especificar qual tipo de Jasmim é, visto que há inúmeras espécies com este mesmo nome popular.

Utilize menos fertilizantes químicos se você adicionou terra vegetal, ou outros adubos orgânicos no vaso recentemente. Eles já são bem férteis naturalmente.

Se a terra estiver "ácida", ou seja, com o pH muito baixo, suas plantas terão dificuldades em absorver os nutrientes. Faça sempre a correção do solo com calcário cada vez que replantar (a cada dois anos mais ou menos).

Use sempre as doses recomendadas pelos fabricantes do adubo.
Não adube se as plantas mostrarem sintomas de doenças.
Ao utilizar adubos químicos, regue sempre "por cima" até sair um pouco de água pelo furo de drenagem, assim você evita o acúmulo de sais no solo.


Caso tenha alguma dúvida comente e deixe seu e-mail para contato. Obrigada.

Um comentário:

Emerson disse...

Interessante, muito util estas informacoes obrigado