Samambaias, Avencas e outras plantas de interior

Falaremos um pouco sobre plantas de interior. O assunto é extenso e as dúvidas são muitas. Vejamos algumas dicas de cultivo e de uso das espécies mais utilizadas como planta de interior, verdadeiros “curingas” na decoração de interiores, dando vida em qualquer ambiente. Cultivadas em residências, dentro de escritórios e empresas, afinal, nem todo mundo tem um quintal ou uma área ao ar livre, mas todo mundo tem uma janela...

As samambaias já estiveram “na moda” nos anos 70. Nunca deixaram de ser vendidas. Quem tem uma casa com varanda que nunca sonhou com uma Samambaia Chorona até o chão? E estão de volta com toda força, principalmente devido ao uso em quadros vivos, por suportarem ambientes pouco iluminados e por serem cultivadas em vasos suspensos, o que não ocupa muito espaço, cabendo em qualquer área de nossos cada vez menores apartamentos. Enfim, são uma ótima opção para trazer o verde para dentro de casa.


DICAS DE CULTIVO

Samambaias e Avencas, como outras plantas de interior, não suportam ficar sob o sol pleno. São plantas típicas do interior das florestas e vivem sob a proteção das árvores, ou seja, em locais com pouca iluminação, normalmente úmidos e ricos em matéria orgânica. Por isso, o ideal é se cultivar a planta em local bem iluminado ou que pegue um pouco de sol pela manhã (quando a espécie for de meia-sombra).

São muito sensíveis ao vento e ao frio. Particularmente a Renda-portuguesa e a Samambaia-de-metro, que queimam com o frio, e por isso devem ser deixadas em local mais aquecido durante o inverno.

No Verão irrigue suas samambaias duas a três vezes por semana. No inverno as regas podem ser reduzidas.

Molhe o substrato por igual, tomando cuidado para não encharcar, o que poderia causar o apodrecimento da raiz. O segredo é nunca deixar o substrato seco. As samambaias e avencas gostam de ter suas folhas pulverizadas com água durante as regas.

Mantenha a planta livre de folhas amareladas, abrindo espaço para novas brotações. Antes do inverno as espécies sensíveis ao frio podem ser totalmente podadas e adubadas com adubos orgânicos para que brotem vigorosas.

Em substituição ao xaxim (também uma samambaia...) utilizamos como substrato a mistura de pó de casca de coco com casca de pinus. Mudas menores podem ser cultivadas na mistura com um pouco de esfagno até o transplante.

A adubação não deve ser realizada na época do plantio para estimular a formação de raízes saudáveis. Um mês após a muda passar para o vaso definitivo adube com duas colheres de sopa de torta de mamona e duas de farinha de ossos, repetindo a cada 40 dias. A adubação foliar ou radicular com fertilizante líquido pode ser feita de 15 em 15 dias utilizando-se metade da dosagem recomendada para outras plantas. Restos de leite podem ser misturados à água de rega. Além do leite ser fungicida, o cálcio dá uma cor bonita às folhas.

Plantas cultivadas em interior são muito sujeitas ao ataque de pragas, principalmente se suas necessidades básicas de irrigação, adubação e iluminação não estiverem sendo adequadamente atendidas. Em samambaias é comum aparecerem lagartas que comem as folhas. Para combatê-las faça catação manual. Para afastar pulgões e ácaros, faça pulverizações periódicas com calda de fumo. Para combatê-los pulverize a planta com inseticida próprio para jardinagem ou óleo de Neem, se optar por um inseticida natural. Siga as dosagens recomendadas pelo fabricante. Se ocorrer uma infestação, corte as folhas afetadas para evitar que a doença ou praga se alastre.

Na época própria para o replante, no verão ou no mês de agosto, retire as mudas que surgirem da extensão do rizoma (caule subterrâneo) evitando-se que a planta cresça demais e tenha que ser transplantada para um vaso maior.

A maneira mais fácil de fazer uma muda de samambaia é com parte do rizoma. Em algumas espécies, ele é um filamento, como ocorre nas samambaias Americana, Samambaia-de-metro e Rabo-de-peixe; em outras, parece o rabo de um bicho peludo. É o caso da Mandaiana, da Renda-portuguesa e da Renda-francesa. No primeiro tipo, o rizoma lança novas mudas periodicamente (na Rabo-de-peixe é mais raro). Quando isso acontece, retire a muda cuidadosamente, cortando as folhas grandes na metade e tomando cuidado para não danificar os brotos. A seguir, plante-a em outro vaso. Quando os rizomas são do segundo tipo, formam um emaranhado compacto. Para fazer a muda, corta-se um pedaço, de preferência que esteja com broto, espetando-o em um vaso com substrato. Muitas espécies se reproduzem por esporos, mas o crescimento das mudinhas é demorado.



Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles acabam virando temas para novos posts.

Um comentário:

Leila Monsores disse...

Adorei aprender como fazer uma muda de samambaia. Muito obrigada